Sepa atua para inserir piabeiros de Novo Aripuanã no cenário de exportação

Foto: Tizziana Barbosa

O Governo do Estado, por meio da Secretaria Executiva de Pesca e Aquicultura (Sepa), da Secretaria de Produção Rural (Sepror), intermediou nesta quinta-feira (13) um encontro entre o presidente da Colônia de Pescadores Z 29 de Novo Aripuanã, Allan Barros; e o empresário Michel Catarino, da Peixe Folha, empresa localizada em Manaus que faz exportação de peixes ornamentais, tendo como principal mercado os países asiáticos e europeus.

Na ocasião, o presidente da colônia de pescadores e o empresário discutiram o processo de captura, manejo e transporte dos peixes até a empresa exportadora e desta para o consumidor final. Eles apontaram ainda a importância da Sepror no apoio dessa cadeia produtiva, principalmente no que diz respeito à base da cadeia, representada pelos pescadores ribeirinhos.

Para Allan Barros, colocar o município de Novo Aripuanã no mercado de peixes ornamentais é também possibilitar a geração de emprego e renda e promover ainda mais a cultura da pesca ornamental no estado, assim como contribuir para o desenvolvimento econômico do município. Ele aponta que conta com o apoio da Secretaria nessa empreitada.

“Essa inserção do município é muito importante para o desenvolvimento social e econômico para os nossos pescadores, porque hoje, na situação em que o país está, qualquer tipo de renda que a gente possa levar para os pescadores do nosso município ajuda na sobrevivência deles”, salientou.

O mercado de peixes ornamentais no Amazonas tem boas perspectivas por conta da nova legislação dos peixes ornamentais no país, acenando para cenários melhores no futuro, que poderão contribuir significativamente para o desenvolvimento econômico do estado. Atuando há três anos no ramo, Michel Catarino assinala a importância do apoio da Secretaria no treinamento necessário aos pescadores que desejarem trabalhar com esse tipo de comércio, que exige conhecimento, habilidade e, principalmente prática da atividade.

“Capacitação, treinamento e infraestrutura são o que a Sepror pode proporcionar à cadeia, principalmente em municípios distantes como Novo Aripuanã, pois os custos, mesmo para a base da cadeia produtiva, são elevados, representando entraves para os pescadores. Com o apoio da Sepror, certamente a atividade fica mais viável para os pescadores”, informou o proprietário da Peixe Folha.

As informações são da assessoria