Cultura

Shopping Ponta Negra e estilista amazonense realizam exposição de fantasias de Boi Bumbá

A mostra é gratuita e estará aberta para visitação até o dia 18 de junho, no mall.
Redação
Postado por Redação

A partir desta quinta-feira (8), às 19h, um pedacinho da Ilha Tupinambarana estará exposto no Shopping Ponta Negra. Em parceria com o estilista amazonense Wernher Botelho, o centro de compras irá sediar a exposição “Mistérios, a Cor e a Magia dos Bumbás”, que traz quase 30 fantasias dos principais itens dos Bois Bumbás de Parintins. A mostra é gratuita e estará aberta para visitação até o dia 18 de junho, no mall.

Para a gerente de marketing do Shopping Ponta Negra, Karla Henderson, a exposição é uma verdadeira contagem regressiva para os fãs do festival, que acontece entre os dias 23 e 25 de junho, em Parintins. “Através da mostra, o público também poderá conhecer de perto o trabalho de Wernher, além de toda a beleza das fantasias que nos encantam todos os anos nas apresentações do Garantido e Caprichoso”, destaca.

Entre os destaques da exposição está a fantasia de cunhã-poranga feita por Wernher exclusivamente para o evento. Em homenagem ao centro de compras, o traje recebeu o nome “Ponta Negra” e promete chamar a atenção dos visitantes da mostra.

A exposição é também uma celebração dos 30 anos de carreira do estilista Wernher Botelho, que apesar de ser amazonense, começou a sua trajetória em Belém (PA), fazendo fantasias e adereços para a escola de samba “Rancho Não Posso Me Amofiná”.

Em seguida, o artista passou a produzir peças de forma independente e, em pouco tempo, a fama de seu trabalho se espalhou por diversas localidades do Pará e Amazonas. A partir daí, Wernher já havia realizado grandes trabalhos para diversas Escolas de Samba, tanto em Belém, quanto em Manaus, produzindo adereços e trajes dos destaques das agremiações, como os da Ipixuna e Sem Compromisso.

“E em meados nos anos 90, quando retornei em definitivo para Manaus, recebi um pedido de confecção de roupas para a batucada do Garantido”, lembra o artista, que revela que essa foi a sua entrada para a história do festival folclórico de Parintins e, desde então, ele tem produzido customizações e indumentárias da cunhã-poranga, porta estandarte, rainha do folclore e pajé para os três dias de festival.

Com informações da assessoria

Comentários

comentários


Deixe um comentário