‘Sinto medo de sair pelos três estarem na rua’, diz estudante agredido em bloco de carnaval

Odilon quer todos os agressores presos - foto: reprodução

O trauma causado por uma agressão coletiva ainda atormenta o estudante de medicina Odilon Pereira Filho, 20. Na primeira entrevista concedida após a prisão do primeiro infrator, Odilon revelou estar contente, mas ainda preocupado com os demais que estão foragidos.

Bruno Luan Oliveira Vazquez foi preso no sábado (7) e já no dia seguinte, domingo passou por audiência de custódia às 14h, mas não foi liberado.  Depois Bruno foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisório Masculino 1.

Em entrevista ao Manaus Alerta, Odilon descreveu o misto de emoções que está sentindo. “Além das cicatrizes do corpo, vem as cicatrizes emocionais. Fiquei feliz pela prisão do Bruno, mas ainda falta os outros três [serem presos]. Ainda me sinto com medo de sair por esses três estarem na rua”, detalhou Odilon.

A prima de Odilon, Rayssa Costa, 21, que também é vítima no caso, se disse indignada por ter descoberto que dias depois do ocorrido foi informada, inclusive com fotos que Bruno estava em festas se divertindo.

“Quer dizer que nossa vida parou, e eles continuam uma vida normal como se nada tivesse acontecido. Mas graças a Deus a Justiça já está sendo feita, e nos últimos dias estamos vivendo em função de buscar justiça e colocar todos na cadeia”, declarou a estudante de Direito.

Os outros três acusados, Lucas Santos, Caio Nogueira e Pedro Santos já tiveram a prisão decretada, mas até o momento seguiam foragidos da Justiça. Veja a entrevista completa feita na residência das vítimas.

Com informações da Mairkon Castro – Portal Manaus Alerta