‘Sou capaz de tudo por ele’, diz pai ao pedir ajuda para filho com hidrocefalia cerebral, em Manaus

Foto: Arquivo Pessoal

Israel da Silva Carvalho é uma criança de 11 anos portadora de paralisia infantil e hidrocefalia cerebral, doença que afeta todo seu desenvolvimento e coordenação motora. Ele é criado unicamente pelo pai, Rosivaldo Carvalho, de 37 anos, que cuida do filho desde que a doença foi descoberta e a mãe o abandonou, aos 7 meses

Rosivaldo conversou com a equipe do Manaus Alerta e contou que, além dos custos dos remédios, leites específicos, fraldas e alimentação, a criança precisa se deslocar toda semana, às terças e quintas, para fazer a fisioterapia que é realizada em uma universidade localizada na Constantino Nery, zona distante da residência. Agora, Israel também precisa passar por uma cirurgia de uma fratura em seu quadril em consequência da doença.

Os dois moram juntos de aluguel em uma casa humilde, localizada na zona Leste de Manaus. Eles sobrevivem da aposentaria que a criança recebe, uma vez que Rosivaldo não pode sair para trabalhar por não ter com quem deixar Israel, que tem crises frequentes de convulsão.

”Minha vontade é grande de trabalhar. Não que eu não queira, mas é porque não tenho condição de pagar alguém para ficar com ele. Só eu mesmo sei cuidar do meu filho” disse o pai.

Ele pede ajuda para arrecadar o dinheiro e custear as despesas da criança que precisa de remédios e da cirurgia. ”Sou um pai verdadeiro que amo meu filho e por ele sou capaz de tudo. Qualquer ajuda que entra é muito bem-vindo, muito bem recebido” finaliza.

Quem tiver interesse em ajudar, entrar em contato diretamente com Rosivaldo pelo número (92) 9363-9990 ou fazer depósito diretamente na conta abaixo:

  • Rosivaldo Rego Carvalho
  • Banco: Caixa Econômica Federal
  • CPF: 007.479.422-18
  • Conta: 00036102-4 
  • Agência: 3205

A doença 

A paralisia cerebral associada à hidrocefalia é uma patologia de caráter não progressivo, mas irreversível. Ela se caracteriza por uma série de desordens cognitivas e motoras, afetando os movimentos e a postura. Essas alterações têm origem em uma lesão cerebral durante o desenvolvimento do bebê, seja ainda dentro do útero, durante o parto ou durante a infância.

A lesão pode causar grandes perdas motoras, até as mais graves, impedindo que a criança ande ou se comunique.

Por Thainá Araújo – Portal Manaus Alerta