Susam reforça ações de prevenção ao sarampo

Outros 27 casos continuam em investigação.

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) está reforçando as ações de prevenção ao sarampo, tendo em vista a confirmação de casos “importados”, em Boa Vista (RR), distante 708 quilômetros de Manaus. Umas das medidas foi solicitar ao Ministério da Saúde o reforço de doses da vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba). No início desta semana, o Programa Nacional de Imunização (PNI) enviou ao PNI Estadual 50 mil doses extras da vacina.

“Estamos tomando algumas medidas preventivas, junto com o município, no sentido de ampliar a cobertura vacinal, uma delas é orientar a população, que faz parte do público alvo e não está imunizada, para que vá a uma unidade de saúde tomar a vacina”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Francisco Deodato.

De acordo com o secretário, a intensificação da vacinação é a principal medida de prevenção para impedir a reintrodução do sarampo que não tem registro de casos no Estado há 18 anos. “A vacina é disponibilizada de forma rotineira nas unidades de saúde e estamos solicitando do MS reforço na quantidade, tendo em vista, o importante processo migratório entre Venezuela e Brasil e constante fluxo de pessoas que seguem para Boa Vista e vice-versa”, disse.

Crianças e adultos

Segundo o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Bernardino Albuquerque, o público alvo da vacina tríplice viral são, principalmente, crianças. A primeira dose deve ser aos 12 meses de idade e a segunda aos 15 meses. Os adultos que não foram vacinados na infância devem tomar dose única. A vacina está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nos Centros de Atenção Integral à Criança (Caic).

O reforço no abastecimento de vacina é mais uma das medidas que estão sendo tomadas pelas autoridades de saúde local para impedir a reintrodução do Sarampo, que não é registrado no Amazonas há 18 anos. A Susam, junto com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) vão encaminhar uma nota técnica conjunta para o setor de turismo, recomendando orientar qualquer cidadão que tenha como destino a Venezuela tomar a tríplice viral, com quinze dias antes da data da viagem.

“A população infantil é a de maior risco, mas também estamos recomendando a vacina para todo mundo que for para área de risco, neste caso a Venezuela”, disse Bernardino. A incubação da doença demora em média dez dias para poder apresentar os primeiros sintomas. “O sarampo é uma doença infecciosa altamente contagiosa, que passa a transmitir cinco dias antes e cinco dias após o aparecimento de manchas na pele, e tem como sintomas de alerta tosse, coriza, febre, manchas vermelhas pelo corpo e alguns casos conjuntive”, completa.

Para o monitoramento e controle da situação foi instituído o Grupo Técnico de Sarampo com especialistas intersetoriais, com diferentes órgãos parceiros – Secretaria de Estado de Saúde (Susam), Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur), Secretaria de Assistência Social (Seas), Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HDV), Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS), Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh), Pastoral do Imigrante e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Com informações da assessoria