Tecnologia do Pix pode acelerar a redução de pagamentos com cédulas de papel

Foto: Divulgação

Mais de 50 países utilizam, atualmente, um sistema semelhante ao Pix, tecnologia para pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central (BC) e que entrou em funcionamento em novembro do ano passado. Um dos objetivos dessa tecnologia é facilitar as transações bancárias. Com o uso disseminado desse sistema, a médio e longo prazos deverá ocorrer a redução da circulação de cédulas de dinheiro, no Brasil. Países como a China, Índia e Reino Unido têm tido ótimas experiências com essa tecnologia. A Índia, por exemplo, realiza 41,4 milhões de transações instantâneas por dia.

Segundo o professor do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Teresa, Diego Ferreira, o Pix tem muitas vantagens e pode, sim, acelerar a redução do uso da cédula de dinheiro, à medida em que as pessoas forem incorporando o seu uso no dia a dia. “Essa redução da circulação de cédulas em papel vai ajudar, entre outras coisas, à economia na fabricação de dinheiro, além da logística que hoje é enorme para a distribuição dos valores, nas várias regiões do país”, explicou.

Mas antes que isso comece a acontecer de fato e a população passe a usar o pagamento instantâneo em massa, outras questões precisam ser revistas. Ele ressalta que um dos gargalos é o grande número de pessoas que atua na informalidade e não possui renda que justifique a manutenção de uma conta em banco. Para uma adesão massiva ao Pix é preciso encontrar soluções para essas pessoas, já que para utilizar a tecnologia é necessário um cadastro a partir de uma instituição financeira.

Outra questão é a pouca familiaridade com a tecnologia, que vai exigir uma mudança cultural, que geralmente leva certo tempo. “A China é um bom exemplo a ser seguido. No país, os pagamentos de praticamente tudo podem ser feitos apenas usando o celular, mas esse processo aconteceu ao longo dos anos e hoje já faz parte da cultura da população”, disse.

De acordo com Diego Ferreira, a população já pode se beneficiar das vantagens do Pix, principalmente, no que diz respeito à agilidade nas transações, que precisam de apenas minutos para serem concluídas. “Isso evita não só a angústia de não saber quando o dinheiro cai, como também questões práticas, como uma conta de consumo atrasada, que poderá ser paga imediatamente se houver risco de interrupção do serviço”, frisou.

O sistema é muito simples de ser utilizado, o que também ajuda na adesão. “A loja poderá vender produtos mesmo que o consumidor esteja sem nenhum dinheiro ou cartão na carteira. Basta estar com o celular. Aliado a esse benefício, os lojistas ainda poderão se preocupar menos em gerir troco”, destacou.

O Pix possibilita transferir valores e pagar contas em qualquer dia e horário, inclusive aos feriados, ou seja, possibilita fazer transações financeiras sete dias por semana, durante 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados.

Como usar o Pix?

O Pix é realizado dentro do aplicativo do banco, assim como é feito o TED e DOC. Existem três formas de utilizar a ferramenta:

Via QR CODE

Quem faz um pagamento pelo Pix precisa apenas ler o QR Code gerado pelo recebedor ou estabelecimento. E isso pode ser feito a qualquer dia e hora e ser completado em alguns segundos.

Via Chaves Pix

Este é o dado que será necessário para fazer transferências a alguém. Em vez de informar o banco, CPF, nome, número de agência e conta, para enviar o Pix é necessário somente comunicar uma das chaves do recebedor.

Dados Pessoais

Caso prefira, é possível informar os dados bancários, CPF, nome completo, número da agência e da conta.

As informações são da assessoria