‘Tudo de acordo com a lei’, diz Arthur Neto sobre estação na Ponta Negra de R$207 mil

113
Para bloquear a sensação de calor, materiais nobres são utilizados na obra- foto: Alex Pazuello

“Vai ser muito útil para os trabalhadores, turistas e para os banhistas que vão ter mais conforto para embarcar e desembarcar na Ponta Negra, um dos principais cartões-postais da capital”, disse o prefeito Arthur Virgílio Neto nesta quinta-feira (15), durante fiscalização dos serviços para a construção de uma nova estação do transporte coletivo no Complexo Turístico Ponta Negra, na zona Oeste de Manaus.

Com 96 metros quadrados, a estrutura vai atender a alta demanda de público no local, além de ser moderna, possuindo soluções arquitetônicas especiais para minimizar a sensação térmica e proporcionar mais conforto aos usuários. A estação segue a arquitetura do complexo turístico e do Centro de Atendimento do Turista (CAT), também em construção.

Estação

A nova estação é quase oito vezes maior em relação aos pontos de ônibus tradicionais, que possuem apenas 12 metros quadrados. Para o redimensionamento da estação foi considerado que, além de ser um ponto turístico, a Ponta Negra recebe alguns dos maiores eventos públicos da cidade, como o Festival Folclórico do Amazonas, o Réveillon e o Boi Manaus.

“Nessa estação temos aço escovado, porcelanato, iluminação que acende de acordo com o complexo, bancos de qualidade e quase 100 metros quadrados de tamanho, não é uma parada comum, é uma estação diferente que faz parte do conjunto arquitetônico da Ponta Negra, que é uma obra que sempre vai precisar de reforma, ser aperfeiçoada, não só por mim, mas por qualquer administrador que passar pela prefeitura, por conta da sua relevância para a cidade”, destacou o prefeito Arthur Neto.

Materiais nobres

Para bloquear a sensação de calor, materiais nobres são utilizados na obra. A estrutura conta com revestimentos em porcelanato, aço inox escovado, madeira, pedra portuguesa e ACM (Alumínio Aplicado) no forro e na cobertura. A estação tem valor de R$ 207 mil e outro fator que interfere no custo final da obra é referente às estruturas de canteiro, orçados em R$ 64 mil, que inclui tapumes, placa, entradas de energia elétrica e água provisórias, locação de contêiner e banheiros químicos, além da mão de obra de engenheiro civil, almoxarife, encarregado, entre outros.

Dentro da lei

“É uma obra que foi planejada, feita de forma muito transparente, tudo de acordo com a lei e com os critérios técnicos estabelecidos, tendo também o acompanhamento dos órgãos de controle. Uma das normas que devemos seguir é a tabela Sinapi, os governos precisam seguir essa tabela, que no Amazonas está defasada. O preço [valor e acervo] dessa obra foi o menor preço da licitação, quase cerca de 30% do valor orçado pelo sistema nacional de licitação”, explicou o diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Claudio Guenka.

Sinapi é o Sistema Nacional de Preços e Índices para a Construção Civil, criado pela Caixa Econômica Federal (CEF) para efetuar o orçamento analítico e a análise orçamentária de projeto-tipo e projetos específicos, além de efetuar o acompanhamento de preços, custos e índices da construção civil.

Novo CAT

Dentro das estratégias de fomento ao turismo na capital, promovidas pela Prefeitura de Manaus, o Complexo Turístico Ponta Negra vai ganhar também um Centro de Atendimento ao Turista (CAT) para facilitar o acesso às informações e atrações da capital e do Estado. O projeto tem desenho arquitetônico minimalista, de inspirações regionais e faz parte da requalificação permanente do complexo implementada nesta gestão.

Banners fixados no teto e no piso vão mostrar as principais atrações turísticas e naturais da capital e do Estado. A estrutura também terá um longo balcão com computadores embutidos para consultas. O volume do projeto é inspirado nas clássicas e icônicas palafitas sendo um pouco elevado do solo, como se estivesse levitando. Uma calçada em curva dará acesso ao CAT, além de uma rampa, que cerca o centro. Barras de aço compõem a fachada, dando alusão à trama de madeira das ocas cobertas de palha.

Com informações da assessoria