Vacinação contra a febre aftosa inicia em 41 municípios do Amazonas

O próximo pleito do Amazonas será evoluir o status de zona livre de febre aftosa sem vacinação a partir de 2020- foto: divulgação/Assessoria

Após o reconhecimento nacional do Amazonas livre de febre aftosa, o Governo do Estado inicia, a partir da próxima quinta-feira (15), a vacinação contra febre aftosa em 41 municípios para a manutenção de área livre da doença com vacinação e, consequentemente, para alcançar o reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE), prevista para maio deste ano.

A campanha “Amazonas sem Febre Aftosa” é coordenada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror) e integra as ações de defesa sanitária animal, de acordo com as diretrizes do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Primeira etapa da campanha

Esta é a primeira etapa da campanha “Amazonas sem Aftosa, que inicia no dia 15 de março e segue até o dia 30 de abril, abrangendo os municípios de Alvarães, Amaturá, Anamã, Anori, Atalaia do Norte, Autazes, Barreirinha, Benjamin Constant, Beruri, Boa Vista do Ramos, Borba, Caapiranga, Careiro, Careiro da Várzea, Coari, Codajás, Fonte Boa, Iranduba, Itacoatiara, Itapiranga, Japurá, Jutaí, Manacapuru, Manaquiri, Manaus, Maraã, Maués, Nhamundá, Nova Olinda do Norte, Parintins, Rio Preto da Eva, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, São Sebastião do Uatumã, Silves, Tabatinga, Tefé, Tonantins, Uarini, Urucará e Urucurituba.

A vacinação do rebanho é obrigatória e deve ser aplicada em bovinos e bubalinos de todas as idades. Em 16 municípios a vacina será comercializada em Casas Agropecuárias credenciadas e nos outros 27 as doses podem ser compradas nas unidades locais do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam). O preço médio da dose de vacina oscila entre R$ 1,80 e R$ 2,20. A vacinação, segundo o órgão, garante a sanidade animal e possibilita a abertura de mercado, a valorização do rebanho e o livre comércio de animais, produtos e subprodutos para todo o país.

Vacinas vendidas no Idam – 27: Alvarães, Amaturá, Anamã, Anori, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Beruri, Boa Vista do Ramos, Borba, Caapiranga, Coari, Codajás, Fonte Boa, Itapiranga, Japurá, Jutaí, Maraã, Nova Olinda do Norte, Rio Preto da Eva, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, São Sebastião do Uatumã, Silves, Tabatinga, Tefé, Tonantins e Uarini.

Vacinas vendidas em Casas Agropecuárias – 16: Urucará, Urucurituba, Parintins, Maués, Nhamundá, Manacapuru, Manaquiri, Manaus, Iranduba, Itacoatiara – Novo Remanso, Careiro, Careiro da Várzea, Barreirinha e Autazes – Novo Céu.

Com informações da assessoria