Vereador Gilvandro Mota esclarece gestão da Prefeitura de Manaus com relação a Assistência Social

O vereador Coronel Gilvandro Mota (PTC) utilizou a tribuna da Câmara Municipal de Manaus, na manhã desta quarta-feira (19/02) para responder alguns questionamentos em relação a assistência social, feitos por vereadores durante o pequeno expediente. O parlamentar explicou o sistema de assistência social adotado pela Prefeitura de Manaus para coibir a vulnerabilidade sofrida por crianças e adolescentes na capital.

“A Prefeitura de Manaus possui uma gestão voltada para a justiça social. Nesse caso especifico dessas crianças que estão ficando nas ruas, já foi dada uma determinação para que os Conselhos Tutelares, que é quem tem essa atribuição de fazer a abordagem junto a família, possa tirá-las dessa vulnerabilidade. Elas vão passar pelo Serviço de Acolhimento Institucional e serão colocadas em abrigos parceiros do Sistema de Assistência Social da Prefeitura”, disse o vereador salientando que não há negligência e que os dados são muito positivos com relação a Assistência Social praticada na cidade de Manaus.

A Prefeitura possui vinte Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e cinco Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas). Também disponibiliza o Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (Saica) e a integração das Secretarias Municipais de Educação (Semed) e de Saúde (Semsa) e da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh) que atuam no acompanhamento dessas crianças, inclusive reduzindo o abandono escolar e garantindo o nível de educação que o município conseguiu alcançar.

“Alguns fatos se afloram como o que foi dito. É verdade que muitas crianças ainda se encontram pelas ruas, mas a maioria são crianças venezuelanas e até pouco tempo havia uma determinação da Justiça para que essas crianças não fossem retiradas por serem estrangeiras. Mas se voltou atrás e hoje a determinação é contrária para que elas possam ser abordadas e destinadas a um local seguro”, destacou.