Vila Olímpica de Manaus ganha tanques de crioterapia, procedimento que auxilia na recuperação física dos atletas

(Foto: Tácio Melo/Sejel)

A Vila Olímpica de Manaus, localizada no bairro Dom Pedro, zona centro-oeste, praça esportiva administrada pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), ganhou esta semana três tanques de crioterapia, procedimento de fisioterapia que utiliza gelo para tratamento de lesões e recuperação física dos atletas. O Centro de Treinamento de Alto Rendimento da Amazônia (CTARA) e o professor Thiago de Melo serão os responsáveis pela utilização dos tanques.

Dois dos tanques medem 0,50/0,70 cm com 1,20 m de altura e possibilitam a imersão de um atleta em pé. O outro mede 0,60cm de altura, 0,50 cm de largura, por 1,70m de comprimento para a terapia deitado.

Segundo o fisioterapeuta e membro da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (Sonafe), Leonardo de Aguiar Correa, após a prática de exercícios físicos intensos é comum que alguns atletas sintam desconforto ou dor muscular e por isso recorrem a crioterapia. O profissional explica as restrições do recurso.

“Existem vários tipos de uso da crioterapia, como o uso de gelo, bolsa de gel, banho de imersão, que traz melhora tecidual, da corrente sanguínea, aumento da pressão, regeneração e recuperação rápida. Mas é preciso ter alguns parâmetros de segurança, por exemplo, a pessoa que tem sensibilidade ao gelo, com problemas reumatológicos, cardíacos, podem ter complicações. Sobre o tempo do banho de imersão, isso é fator que depende da parte fisiológica de cada atleta e modalidade, porém, a Sonafe indica 30 minutos com sessões de 10 e 20 minutos, respectivamente”, pontuou o fisioterapeuta.

Recuperação – Velocista bicampeão Pan-Americano e medalha de bronze dos Jogos de Pequim 2008, Sandro Viana destacou a importância da crioterapia no atletismo, modalidade que consome bastante e que exige uma recuperação rápida e eficaz dos atletas.

“Os atletas ficam muito desgastados e a cada competição se faz necessário uma recuperação quase que imediata, por isso a crioterapia é fundamental. A partir de agora teremos aqui na Vila esta recuperação que tem um baixo custo e um resultado excelente”, destacou o velocista.

Os tanques de crioterapia da Vila Olímpica foram construídos através de material doado por parceiros e atletas que frequentam o local. “O ideal é que a gente faça esse tratamento pós-treino porque ele ajuda na recuperação do cansaço e contribui para um rendimento melhor, no meu caso, na pista de atletismo”, comentou Érica Nunes, atleta que testou os tanques de crioterapia da Vila.